Mês inicia, chegado o momento de reabastecer a geladeira.
E em mais uma visita a um desses Supermercados, nada tão diferente dos modelos padrões que estamos acostumados no Brasil (HiperBompreço, Carrefour), encontro o curiosíssimo senão instigante CATATO.

Em um primeiro momento, de longe aparenta ser uma espécie de cogumelo, dando um pouco mais de atenção se aproxima de uma semente. Você até pensa no que de fato poderia ser mas, não consegue ou não quer acreditar que possa ser uma mera semelhança com INSETOS?

Pois bem, isso mesmo. O catato é parecido com larvas e pode ser encontrado em algumas províncias daqui de Angola.

Prega a lenda, que em reuniões de trabalho, com os tipicamente Angolanos, quando você é convidado a almoçar na casa de um deles, essa especiaria é ofertada como um acompanhamento do prato principal. Assim como no Brasil temos o nosso velho e bom feijão, arroz, farofa, aqui é oferecido o velho e bom CATATO. E é considerado uma ofensa se não comer.
Desde que cheguei ainda não passei por nenhuma situação dessas.

Pesquisando um pouco mais, apesar do CATATO não ter um ar muito apetitoso: “Contudo, este bichinho não podia ser mais higiénico, são raras as vezes que tocam no chão durante a sua vida que é feita em cima das palmeiras.” (Fonte: SAPO)

Quem come afirma que é das melhores iguarias do mundo.
Não foi dessa vez que me arrisquei a experimentar mas com certeza não sairei daqui sem dar o meu parecer final se de fato o bichinho é bom ou não é.

Anúncios

Carrinho de compras em Luanda

Em uma dessas visitas ao supermercado para reabastecer a geladeira me deparei com esse carrinho de compras.

É apenas uma estrutura de ferro onde são acopladas cestas plásticas de acordo com a necessidade.
Esse carrinho específico pode acoplar no máximo 2 cestas.

Apesar de aparentemente simples eles têm uma sacada muito boa:

– não ocupam espaços significativos;
– mais fáceis e leves para manusear;
– departamentalizar as compras, ou seja, associar cada cesta para um departamento no supermercado (há carrinhos que possibilitam até 6 cestas).

Nunca vi esse carrinho em alguns estados nos quais já visitei no Brasil mas acho que poderia ser um método a ser adotado e até mesmo expandir melhor a idéia de sustentabilidade.

Cestas
poderiam ser vendidas aos consumidores a um preço justo, dessa forma:
– diminuiriam custos de infraestrutura aos mercados;
– os consumidores teriam uma embalagem mais durável já que, muitas vezes, as caixas de papelão e sacolas não suportam tamanho peso das compras;
–  as cestas poderiam ser moldadas em forma de blocos permitindo perfeito encaixa uma nas outras para as compras serem melhor transportadas em carros.

Fica a dica!

Cidade de Luanda

Cidade de terra vermelha, de pouco verde, do “ya ya”, do “si si”, “pois pois”.

Cidade que parece ter mais carro do que gente, onde a desigualdade social é escancarada. Mas uma cidade de sorrisos e cumprimentos mesmo quando esses não conseguem esconder o sofrimento de um país machucado pela guerra.

Mas acima de tudo um povo unido e determinado a não somente reconstruir a cidade como uma nação.

E assim começam minhas novas experiências nesse mais novo habitat.